14 MAR 2018 PUBLICAÇÃO

Ele Ressuscitou!

Por que procurais entre os mortos aquele que está vivo? Não está aqui, ressuscitou! (Lc 24, 5b-6). Três dias após a morte de Jesus, algumas mulheres foram ao seu túmulo, ouviram este anúncio e se tornaram mensageiras dessa boa notícia. Também hoje a Igreja testemunha e anuncia, como fez através dos séculos: Jesus Cristo, morto na cruz, ressuscitou, está vivo e presente no meio de nós.

O sepulcro  está vazio mas cheio de sinais, o Anjo, a arrumação, os homens vestidos de branco... Todos os sinais nos reenviam a procurar Jesus em outro lugar, no lugar da vida. Não é o sepulcro que nos converte à ressurreição, mas o encontro com o Ressuscitado, que nos salva e nos introduz na vida divina.
 Sobre os relatos de “encontros com o Ressuscitado”, o Papa diz que “são uma realidade distinta das experiências místicas”, acrescentando que “a ressurreição é um acontecimento dentro da história que, todavia, rompe o âmbito da história e a ultrapassa”.

De fato, é reveladora a aparição de Jesus aos discípulos de  Emaús, que,  desencantados, tristes pelo caminho  se  encontram com o Ressuscitado  e  em conversa  se põe a andar com eles. Jesus os convida a recordar o que aconteceu. Os dois discípulos reavivam sua memória e relembram tudo. Então, Jesus começa a explicar-lhes, à luz das Escrituras, o verdadeiro sentido dos acontecimentos e do destino da paixão e  ressurreição do Messias. É uma presença real de alguém que nos acompanha pelo caminho, não fácil de captar, porque nossos olhos podem estar incapacitados de conhecê-lo pelos tantos desencontros trazendo à luz das realidades sofridas. Mas é uma presença que vai despertando a esperança. Mais tarde, os mesmos confessarão que, enquanto Jesus lhes falava pelo caminho, “o coração ardia”. É expressivo  destacar  a experiência extraordinária  e necessária  da ceia eucarística para que seus olhos se abrissem e eles O reconhecessem, não só como alguém que ilumina sua  vida com sua Palavra, mas como alguém que os alimenta.

 Os discípulos, principalmente, reconheceram Jesus ao partir do pão. Na Eucaristia tocamos o ressuscitado. Nela somos chamados a fazer a experiência com o Deus vivo, seu corpo, sangue, alma e divindade, na sua humildade no pedacinho de pão. Não é um pedacinho de pão abençoado, Jesus fala ‘’ isto é o Meu Corpo, o Meu Sangue’’.

      Atentamo-nos a reflexão.  Como temos comungado do Ressuscitado em nossas vidas?  De fato nos preparamos para comungar o nosso Senhor? Verdadeiramente cremos que vamos ao encontro do Deus da nossa vida, do Senhor que traz sentido a nossa história, que cura as feridas do nosso coração? Que restaura as nossas forças, que sara as nossas misérias? Estamos dispostos a esta experiência?

 Podemos ser como Tomé, querendo tocar nas chagas para acreditar; ou como Maria Madalena, que vê Jesus, mas não o reconhece; ou ainda, como os discípulos de Emaús, que sentindo-se derrotados não percebem que é o próprio Jesus que os acompanha.

Não podemos, assim, procurar entre os mortos aquele que está vivo!  Diz o Santo Padre o Papa Francisco,” é preciso maravilhar-se novamente com Cristo ressuscitado, para poder sair dos nossos espaços de tristeza e abrirmo-nos à esperança que remove as pedras dos sepulcros e nos dá coragem para anunciar pelo mundo fora o Evangelho da vida”.

Paulo chegou a escrever: “Se Cristo não ressuscitou, a nossa pregação é vazia, e vazia também a vossa fé” (1Cor 15, 14).

Jesus continua a ser o EMANUEL – Deus Conosco – todos os dias até ao fim dos tempos. Os nossos corações ardentes de amor e os nossos ouvidos receptivos e olhos iluminados são agora capazes de reconhecer a presença d’Aquele que está conosco  e continua a revelar-se nos pobres, nos doentes, nos famintos, nos presos, nos refugiados com o poder do Espírito Santo. E que a  maior parte da ação de Deus neste mundo passa despercebida porque Ele atua no segredo dos corações que se abrem à sua graça.

Portanto, impulsionados pela Sua presença, anunciaremos a todas as pessoas que  conhecemos essa maravilha de afirmar  que o Deus cremos  está vivo e está no meio de nós!Image title


Autor(a): Fabiana Romano
Fonte: Com. Católica Emanuel

Compartilhe esta publicação
Top